História do Bambu

História

Bambu é o nome que dá a todas as plantas da sub-família Bambusoidae . Esta sub-família faz parte da família das gramíneas (Poaceae ou Gramínea), ou seja, é da mesma família que a grama, o trigo e o arroz.

No mundo existe mais de 1200 espécies espalhadas pela Ásia, Oceania, África e Américas. O único continente onde o bambu não ocorre naturalmente é o europeu. Depois da Ásia, a América do Sul é o continente com maior número de espécies nativas (cerca de 450). No Brasil já foram identificadas cerca de 200 espécies nativas de bambu, que ocorrem no norte e sul do país.

Os portugueses que vinham dos territórios coloniais da Ásia e mais tarde os imigrantes chineses e japoneses que vieram trabalhar no ciclo do café trouxeram muitas espécies asiáticas de bambu para o Brasil. É por este motivo que encontramos tantas moitas de bambus asiáticos em todo o país.

Bambu – a madeira do futuro

O bambu é uma planta misteriosa para os botânicos, pois geralmente não floresce todos os anos como a maioria das outras plantas. Quando uma moita ou bosque de bambu é plantado, os primeiros colmos a brotar são finos e frágeis. A cada ano o diâmetro dos novos brotos aumenta, pois a moita ou bosque tem mais nutrientes para distribuir entre os brotos.

Os rizomas de bambu produzem novos colmos e novos rizomas todos os anos através de propagação vegetativa, assegurando a continuação da moita ou bosque. Cada rizoma produz novos rizomas e colmos durante cerca de 3 anos. Cada colmo de bambu vive cerca de 12 anos, quando seca e apodrece.

O crescimento vertical do bambu se dá entre cada nó, nas paredes dos entrenós. O entrenó da base começa a se alongar, e quando está terminando seu alongamento o de cima começa e assim por diante. Os nós são compostos por um diafragma que isola o entrenó anterior do próximo.

Até dois anos, o bambu é considerado imaturo, ou “verde”, e seu material lenhoso ainda está bastante maleável (não-lignificado). É por esse motivo que o bambu, com essa idade, é utilizado para cestaria e outros usos onde é necessário curvar ou tramar o bambu.

O colmo do bambu adequado para uso em artesanato, movelaria e construção é aquele com mais de 3 anos, considerado maduro. Nessa idade o bambu está rígido o suficiente (lignificado) para ser utilizado em tarefas pesadas.

O bambu é um material estrutural composto de fibras vegetais, onde a lignina atua como aglomerante e a fibra como elemento de resistência. A razão entre o peso do bambu e a força que ele suporta é superior a do aço. Testes realizados em colmos de bambu demonstram que a resistência à tração do bambu é comparável à do aço, seguida pelas resistências à compressão e à flexão. Sobre sua forma, podemos dizer que o colmo do bambu tem forma tubular crônica segmentada, pois é normalmente oco com nós e diminui seu diâmetro da base até o topo, assim como a parede do colmo é mais grossa na base e diminui em direção ao topo.

A beleza do bambu ao natural ou processado tem aumentado muito a procura por esse material, especialmente para uso em arquitetura e construção. É considerado um material de excelente qualidade devido suas características estruturais. A relação resistência/peso é mais vantajosa do que da madeira e ele admite maior flexão do que a maioria dos materiais. O bambu pode ser a matéria-prima de todas as partes de uma casa, inclusive nos projetos populares, ficando até 50% mais barato do que as convencionais. Uma casa que traz diversos benefícios ambientais, agregando alto valor tecnológico e em relação às construções populares construídas hoje em dia, o bambu apresenta um padrão de qualidade bem superior. O bambu é considerado um excelente isolante térmico e acústico. Mais recentemente, temos no Brasil o ‘bambucreto”, uma mistura de concreto e bambu usado em construções, tubos, pisos de alto padrão e resistência.